Situação, Área e Limites

Loading
a carregar...

Situação, Área e Limites

10 Fev, 2015

Armamar é o município de toda a região do Douro com mais quilómetros de fronteira com o leito do rio Douro.

Santo Adrião, Vila Seca, Folgosa, Vacalar e Fontelo são as freguesias a norte do Município que confrontam com o Douro que, por sua vez, delimita a fronteira do Município de Armamar e do Distrito de Viseu.

Estas povoações centram a sua atividade na agricultura, nomeadamente na produção de vinho e de azeite.
Da foz do rio Tedo até perto da Barragem de Bagaúste a paisagem norte do Município é marcada pelo maravilhoso anfiteatro das vinhas onde se cultivam e produzem os vinhos durienses, com especial destaque para o mundialmente conhecido Vinho do Porto.

Na primavera começam a despontar as videiras, depois do período de repouso vegetativo do inverno, e o vale do Douro começa a ganhar cor. A partir desta altura desenham-se nos socalcos das encostas linhas verdes compostas pelas videiras. Apreciando a paisagem de pontos estratégicos, miradouros que existem de onde em onde, não se pode ficar indiferente à beleza da geometria que caracteriza a plantação das vinhas e desenho dos socalcos aproveitando as curvas de nível do terreno.

O outono, por seu lado, traz consigo logo a seguir às vindimas as cores avermelhadas e acastanhadas características e o início da época de descanso das videiras, cumprido que está o seu ciclo de produção de fruto. Nesta altura o cenário predominantemente verde dá lugar a uma paleta de cores bem diferente mas igualmente bonita.
Um fenómeno também interessante e que pode ser contemplado sobretudo no outono e inverno é o das neblinas da manhã. Muitas vezes, ao descer por uma das muitas estradas que ligam as encostas ao rio é possível ver o Douro coberto por uma densa camada de nuvens, tal como as vemos quando viajamos de avião por cima delas.

No meio de todo este ciclo, de todas as alterações que se produzem nas vinhas corre o rio Douro. Em dias serenos as águas do rio proporcionam um espetáculo interessante: olhando seu leito pode ver-se como num espelho o cenário refletido das encostas proporcionando, no seu conjunto, uma imagem de rara beleza.

Se a paisagem a norte do Município se caracteriza pelos socalcos das vinhas durienses com os seus pés mergulhados nas águas do Douro, a sul tudo muda.

O solo xistoso dá lugar ao granito (com uma zona intermédia de terra argilosa) característico das serras da Sra. da Piedade em São Martinho das Chãs, da Sra. da Graça em Cimbres ou da Sra da Saúde, em Vila Nova de Santa Cruz, só para enumerar alguns exemplos. Estes são locais privilegiados para a observação da paisagem.

Destes pontos altos podem admirar-se quadros paisagísticos espetaculares: do alto da Sra. da Graça pode ver-se grande parte do território do Município e mais ao longe veem-se terras de Tarouca com o monte de Sta. Helena; da Sra. da Piedade apreciam-se os extensos pomares de macieiras que predominam na paisagem a par dos soutos de castanheiros que, na primavera e verão emprestam um verde luminoso e refrescante aos nossos olhos e no outono nos confortam com o seu castanho dourado e com o sabor das suas castanhas; do alto da Sra. da Saúde, em Vila Nova, a paisagem é sensivelmente a mesma que se vislumbra mesmo ao lado, no monte da Sra. da Graça, mas se olharmos na direção de Vila Nova vemos ao fundo a albufeira da barragem de Lumiares que alimenta uma importante rede de rega no Município.
A vertente sul do Município de Armamar apresenta de facto um contraste paisagístico muito grande com a zona mais a norte.

Antigamente nesta parte de Armamar abundava a floresta, com destaque para o pinheiro que existia em grande quantidade. Recentemente a mobilização das terras para plantação de macieiras, umas das referências da produção agrícola do Município a par dos vinhos, veio modificar o recorte das paisagens mas sem que a sua beleza saísse diminuída. Aliado a esta atividade agrícola também se vislumbram construções de grande dimensão: são os armazéns dos fruticultores, equipados com enormes câmaras frigoríficas onde se conservam as maçãs até serem expedidas para o mercado.

Juntamente com os pomares de macieiras podem ver-se também os soutos de castanheiros, árvores que atingem grandes dimensões e com uma durabilidade impressionante: existem alguns exemplares centenários por terras de São Martinho e São Cosmado.

Na zona de Santa Cruz, em Vila Nova, não será difícil encontrar pastores a vaguear pelos montes guardando rebanhos de cabras, de cujo leite se fazem queijos frescos, para já não falar do cabritinho, verdadeira iguaria da gastronomia de Armamar. A criação de gado foi em tempos o garante de sustento dos habitantes destas aldeias com a produção de carnes, de derivados do leite e do aproveitamento das lãs dos animais.